pub-1948941825289788
 

Presidente Marcelo abre a Feira do livro de Lisboa com ventos de noroeste.


Esta Feira do Livro de Lisboa, 2022, será diferente. Exceto o habitué apaixonado por livros, segundo o próprio, Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que abrirá o evento, ao invés de abri-lo no pré-verão, o fará ao final deste com ventos de noroeste, brandos, para quem gosta de velejar, meio fortes, rondando os 25 nós, para quem vestir saia rodada ao ar livre. Vento e feira do livro? Porque esta edição do evento em Lisboa será diferente num aspecto que importa ao planeta: a sutentabilidade. Um dos motivos de mudança no calendário, segundo informação da APEL: a preparação de novo modelo de infra-estrutura demandou um pouco mais de tempo.


Nunca foi tão importante contextualizar assuntos aparentemente desconexos, como livro e vento, evento literário e clima do planeta. Lisboa tem sido palco de episódios importantes ultimamente e sempre, como a última Conferência das Nações Unidas para o Oceano e seria fora de tom promover uma das fontes mais expressivas de cultura e viagem da alma do coletivo humano, o livro, ignorando a Declaração de Lisboa com alarmes urgentes sobre a degradação dos Oceanos, e do ambiente ao redor do globo. Pois assim o fez a APEL – Associação Portuguesa de Editores e Livreiros dedicando à Feira do Livro de Lisboa em 2022 esmero no seu conceito, e não apenas na imagem promocional, mas no seu arranjo material.

A Cerimônia Oficial de abertura da 92.ª edição da Feira do Livro de Lisboa – FLL acontecerá às 18:00h, embora já ao início da tarde desta quinta-feira 25 a Feira terá as suas primeiras atrações em curso, além do assíduo Presidente da República, contará com o Presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moeda, da Secretária de Cultura, Isabel Cordeiro e do Presidente da APEL, Pedro Sobral.

Este capítulo diferente contará com 140 participantes (10 a mais que na última edição) que representam centenas de marcas editoriais. Regressando ao aprazível Parque Eduardo VII, entre os dias 25 de agosto e 11 de setembro, com um conceito totalmente novo, dinâmico e repleto de novidades, como os 340 pavilhões, totalmente novos, mais sustentáveis e com melhores condições para participantes e visitantes. Dada, portanto, como a maior edição de sempre da FLL.


Trata-se da aposta em um novo conceito estético e funcional, consciente da pegada ecológica e do impacto ambiental que tem na cidade, permitindo assim ganhos substanciais face às anteriores edições.


Menos ruído e menos poluição


Os novos pavilhões, palcos e o auditório principal, resumem a alteração global de conceito que pretende refletir-se numa menor pegada ecológica na cidade, com níveis significativamente inferiores de poluição atmosférica, visual e sonora, vislumbrando ainda melhores condições de acessibilidade.


Segundo a APEL, esta mantém a preocupação de desenvolver ações de sustentabilidade e dar continuidade às medidas implementadas nos anos anteriores, como a promoção da Reciclagem em parceria com a Sociedade Ponto Verde, o cuidado na reutilização de materiais e a redução do consumo elétrico. Como as alternativas de mobilidade suave, que contribuam para transformar Lisboa numa cidade mais acessível, menos poluída, com menos ruído, a APEL estabeleceu uma parceria com a EMEL, para que a GIRA – sistema público de bicicletas partilhadas – seja o transporte oficial da Feira do Livro de Lisboa. E, como em capítulos anteriores, será igualmente dada continuidade à promoção da utilização de transportes públicos, como meio privilegiado de deslocação até ao evento, tendo sido estabelecidas parcerias com várias entidades que operam nesta área.


Como o que é bom deve ser repetido, está de regresso o pavilhão “Doe os seus Livros”; em parceria com o Banco de Bens Doados, que desafia os visitantes a doar livros novos ou usados para que possam ganhar novos leitores. As ofertas são encaminhadas para as crianças apoiadas por Instituições da ENTRAJUDA. Segundo a APLE, em 2021, esta iniciativa atingiu cerca de 90 mil livros doados, completando, desde a sua criação, em 2015, mais de 150 mil livros.


Diversão e livro tem tudo a ver


A Feira do Livro de Lisboa em 2022 oferece uma programação cultural distinta, mais completa e com mais atividades para todas as idades, quem sabe para esquecermos que um dia sofremos uma pandemia que nos afastou a todos. Serão diversas apresentações, debates, lançamentos, mesas-redondas, entregas de prémios, sessões de autógrafos e celebrações em geral centradas no livro.


Agora, se haverá um exemplar em russo do livro do escritor e jornalista José Milhazes, “A Mais Breve História da Rússia”, é pouco provável, mas o país convidado de honra deste ano será a Ucrânia, que terá presença num stand todo seu.


O espaço da FLL contará com zonas de descanso e lazer, esplanadas, instalações sanitárias e zonas de restauração – distribuídos ao longo da Feira do Livro. Como a FLL é um evento amigo dos animais, repete o RefresCão, com água fresca para os animais de companhia.


Será repetido famoso Passadiço, que oferece aos visitantes uma vista única sobre a Feira e sobre a cidade, ligação natural entre as duas alamedas, e facilita o fluxo de pessoas. E, como bons ventos são sempre bem-vindos em toda a parte, as Bibliotecas Municipais de Lisboa continuarão presentes em mais uma edição da FLL, com especial incidência na promoção de iniciativas destinadas ao público infantil, às famílias e às escolas.


Vale lembrar que a Feira do Livro de Lisboa abre ao meio-dia e segue ebuliente até a meia-noite, exceto aos domingos que apaga às 22h00. Resta saber se o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa terá fôlego para abrir a Feira do Livro do Porto, que este ano acontece simultaneamente à de Lisboa, isto é, abre na sexta-feria 26. Saravá, Ave Maria!


Horário da Feira:

· segunda a quinta-feira – das 12h30 às 22h00;

· sextas-feiras – das 12h30 às 00h00;

· sábados – das 11h00 às 00h00;

· domingos – das 11h00 às 22h00.





logo_oponto_news_H2Blue_round_radio_cafe-removebg-preview.png