top of page
logo_oponto_news_H2Blue_round_radio_cafe-removebg-preview.png
Noticia e Informacao contextualizadas
00:00 / 03:51
  • Foto do escritorLuís Peazê

Flybe parou no ar, demitiu funcionários e deixou passageiros a ver navios. O que fazer?


Segundo as agências de notícias e veículos de mídia ao redor do mundo, 75.000 passageiros com reservas na companhia aérea britânica Flybe.com ficaram a ver navios, sem garantia qualquer de acomodação em outros vôos, apesar das concorrentes Ryanair e EasyJet, empresas de baixo custo (low cost) serem uma das razões da falência daquela que operava mais de 40% de todos os vôos do Reino Unido.


A paulada final da empresa, utilizada como justificativa pelos seus gestores, foram a crise pandêmica e o Brexit que impactaram severamente a economia inglesa, mas a companhia já vinha mal das asas muito antes quando do Brexit pediu ao governo 100 milhões de libras para tapar um buraco de 20 milhões e não foi atendida. Seguiram-se as pressões e a concorrência aproveitou o cheiro de carniça.


Após apenas um ano da compara da Flybe.com e através de um comunicado difundido pelas “redes sociais”, a companhia revelou que o processo de insolvência da empresa — de que a atual CEO da TAP Air Portugal, Christine Ourmières-Widener, foi CEO entre 2017 e 2019 — passa a ser administrado por David Pike e Mike Pink, da consultora Interpath.


– No meio dessas nuvens cinzentas, o passageiro ordinário, a trabalho ou turismo, estudante, adoentado e saudoso por rever familiares, poderá reclamar direitos onde?


De acordo com a ACC Autoridade Civil de Aviação do Reino Unido www.caa.co.uk/news “se” o custo da passagem foi acima de 100 libras (125 euros) paga com cartão de crédito, “talvez” o passageiro surpreendido com a decisão daqueles gestores da Flybe.com possa obter seu dinheiro de volta com base na Seção 75 do Ato de Crédito do Consumidor. flybecustomers@interpathadvisory.com


-----------------------------------

British regional airline Flybe ceased trading on Saturday (28 January) for the second time in three years. All flights were cancelled and workers were made redundant.


A statement on Flybe's website said the airline, which operated scheduled services from Belfast, Birmingham and Heathrow across the UK and to Amsterdam and Geneva, had entered administration - a form of protection from creditors.


"Flybe has now ceased trading and all flights from and to the UK operated by Flybe have been cancelled and will not be rescheduled," it said.


It advised people due to fly not to travel to airports.

A spokesperson for administrators Interpath Advisory said about 75,000 Flybe customers had future bookings that would now not be honoured. SEGUE A REPORTAGEM DA EURONEWS>>>

Comments


bottom of page